Dificuldades no Mercado Turístico Nacional

O Brasil é um país continental que possui aspectos geográficos, históricos, culturais, equipamentos e serviços capazes de atraírem visitantes. Existem infinitas possibilidades para as viagens de negócios e/ou lazer dentro do nosso país. Nos últimos anos, foram investidos milhões na estruturação da oferta turística e na qualificação de recursos humanos, principalmente investimentos do Governo Federal. Muitos trabalhos foram interrompidos por visões políticas diferentes e muitos trabalhos continuaram com as importantes participações do setor privado. Entretanto, dois grandes problemas impedem os aumentos dos fluxos de visitantes, a destacar: o conhecimento sobre os bens e/ou serviços turísticos disponíveis que garantem o bem receber e os preços das passagens aéreas. Em nosso Brasil, viajar de avião está sendo proibitivo para a maior parte da população brasileira. Algumas ações estão reduzindo os impostos sobre o querosene e viabilizando rotas regionais. Existe uma demanda reprimida interessada em viajar pelo Brasil trocando a opção da viagem ao exterior. As empresas aéreas trabalham com tarifas flutuantes e fazem a gestão lucrativa e, mesmo assim, estão com dificuldades para equilibrarem suas contas contábeis. É óbvio que existem problemas com a flutuação do dólar; aluguéis de aviões e o poder aquisitivo da população. Porém, o diagnóstico do setor precisa ser ampliado e encontrar alternativas para incentivar as viagens aéreas no Brasil. Imagino que passa pela legislação em vigor e prováveis parcerias com os fabricantes de aviões, principalmente com a Embraer, para facilitar aquisições de aviões menores fabricados no Brasil. A história registra as companhias aéreas que deixaram de existir no Brasil e a falta de interesse de outras, mesmo com um mercado potencial. Pode ser um tema para diagnósticos e prognósticos durante as campanhas políticas em 2022. O outro grande problema, é a utilização da Comunicação Integrada para informar sobre os destinos turísticos nacionais, atualmente com reduzidos investimentos e enfatizando o segmento de sol e praia. Na realidade, o Marketing dos Destinos Turísticos precisa ser ampliado com mais opções de veículos de comunicação e ações no mercado como os eventos, atividades de relações públicas, assessoria de imprensa, jornadas profissionais, entre outras. Convém salientar que os avanços tecnológicos permitem grandes possibilidades para promoção e apoio à comercialização em parcerias com os transportadores, meios de hospedagem, agências de viagens e turismo, restaurantes, entre outros. Destaca-se que o contato humano e o foco em cada mercado emissor são fundamentais. Anualmente, as principais capitais brasileiras recebem Caravanas de profissionais de outros países que realizam encontros profissionais, apresentam suas inovações e suas ofertas turísticas, incluindo arte, cultura, gastronomia e robusto calendário de eventos. Será que o nosso Brasil poderia ter ações similares dentro e fora do País? Com os indispensáveis apoios das companhias aéreas? Os eventos presenciais fazem as grandes diferenças e precisam ser promovidos em parcerias públicas e privadas em todo o país. O Turismo Receptivo agradece. Será? Respeitam-se todas as opiniões contrárias. São reflexões. Podem ser úteis. Pensem nisso.

Abdon Barretto Filho

Abdon Barretto Filho

Economista e Mestre em Comunicação Social. Especializado em Economia, Comunicação e Marketing aplicados às Cidades ( City Marketing),Empresas e Entidades, destacando-se Eventos, Hotelaria, Hospitalidade e o Turismo. Consultor, Conferencista, Conselheiro, Diretor, Escritor, Colaborador em Veículos de Comunicação

Gostou desse conteúdo? Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Abdon Barretto Filho
Economista e Mestre em Comunicação Social.

Acompanhe as novidades