A Sustentabilidade e o Turismo Urbano

Abdon Barretto Filho – Economista e Mestre em Comunicação Social

Para os destinos turísticos, o planejamento e a estruturação da oferta turística devem constar projetos para a sustentabilidade – ambiental, social e econômica, visando a preservação dos aspectos geográficos, históricos, culturais, equipamentos e serviços. No Turismo Urbano, as cidades se apresentam com boa imagem que tem início desde da infraestrutura da limpeza urbana, passando pela iluminação pública, serviços de tratamento de águas e saneamento, segurança pública, transportes, sinalização, entre outros serviços públicos indispensáveis para a melhoria da qualidade de vida e do bem receber. A Cidade será boa para o visitante se for boa para o habitante. Em continuação, o sistema produtivo do fenômeno turístico formado por uma maioria de pequenas organizações está inserido no bem receber e na sustentabilidade ambiental, social e econômica, também. Para que o Turismo Urbano aconteça é indispensável a existência da demanda turística. De nada adianta, após estruturar a oferta, não ter ações nos mercados para atrações de visitantes. É ingênuo e amador imaginar que um visitante venha conhecer os atrativos da Cidade espontaneamente. É indispensável existir um sistema de distribuição e apoio à comercialização com um robusto programa de promoção e comunicação integrada nos mercados emissores. As estratégias, táticas e operações do Marketing do Destino – City Marketing muitas vezes são ignorados pelos gestores neófitos com focos equivocados, desde da sinalização turística até as postagens nas redes sociais. Somos integrantes da Economia de Mercado e as organizações econômicas com ou sem fins lucrativos devem adaptar as suas respectivas ofertas às demandas. É lamentável quando não existem clientes para as agências receptivas, guias de turismo, bares, restaurantes, serviços de passageiros, meios de hospedagem, eventos, entre outros bens e/ou serviços dependentes dos consumos dos visitantes. Esquecem as características da oferta turística, principalmente sua sazonalidade e inconstância da demanda. Não sabem fazer as gestões e arriscam as conquistas, prejudicando a sustentabilidade por falta do acompanhamento da tendência e soberania do consumidor. Convém salientar que o Turismo Urbano Sustentável deve satisfazer as demandas dos visitantes (turistas, participantes de eventos e investidores) e de acordo com as estruturas socioeconômicas dos núcleos receptores.Valorizando e respeitando a integridade cultural; os ambientes naturais e a qualidade de vida dos colaboradores, investidores, comunidades e governos, mesmo tendo alguns gestores   incompetentes no desenvolvimento do fenômeno turístico. Sempre existe a esperança de contratações de profissionais e investimentos adequados. Será? Respeitam-se todas as opiniões contrárias. São reflexões. Podem ser úteis. Pensem nisso.

Abdon Barretto Filho

Abdon Barretto Filho

Economista e Mestre em Comunicação Social. Especializado em Economia, Comunicação e Marketing aplicados às Cidades ( City Marketing),Empresas e Entidades, destacando-se Eventos, Hotelaria, Hospitalidade e o Turismo. Consultor, Conferencista, Conselheiro, Diretor, Escritor, Colaborador em Veículos de Comunicação

Gostou desse conteúdo? Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Abdon Barretto Filho
Economista e Mestre em Comunicação Social.

Acompanhe as novidades