A Economia do Turismo e as variáveis climáticas

            Abdon Barretto Filho – Economista e Mestre em Comunicação Social

Uma das características da oferta turística é a sazonalidade. Existem interessados em deslocamentos em todas as estações do ano em todo o mundo. Segundo as estatísticas mundiais sobre viagens, a predominância é do Turismo motivadas pelo sol e praia com infinitas opções no Brasil e no exterior. Entretanto, existe uma série de destinos turísticos que promovem o frio, através de festivais artísticos e culturais, associados à gastronomia diversificada, incluindo pratos locais e internacionais, acompanhada de vinhos e sobremesas. Muitas pessoas preferem viajar durante o inverno, aproveitando as férias escolares ou, simplesmente, gostam de “ sentir frio “ em locais devidamente climatizados.  O clima criado pelo frio contribui para atmosfera acolhedora e elegante de centenas de restaurantes e eventos realizados no período do inverno. Infelizmente, o frio pode trazer problemas para os mais necessitados e a solidariedade não deve ser esquecida. É a vida como ela é. No fenômeno turístico, durante a estruturação da oferta turística e sua qualificação são gerados empregos e rendas para prestadores de serviços, incluindo atendentes e fornecedores diretos.  No caso do Rio Grande do Sul, o Turismo no inverno atrai milhares de visitantes para a Serra Gaúcha, destacando-se Gramado, Canela, Nova Petrópolis, Bento Gonçalves, entre outras. Convém salientar que nos 497 Municípios gaúchos podem ser desenvolvidos projetos e ações entre os vários Destinos Turísticos interessados e estruturados para receberem fluxos de visitantes. Acredita-se que possam ser desenvolvidos ações nas cidades onde o frio pode ser uma atração turística, incluindo alguns festivais que envolvam a música, o teatro, a dança, combinados com a hospitalidade e a gastronomia local.  É obvio que são trabalhos profissionais e em parcerias entre os setores públicos e privados para atraírem visitantes, respondendo alguns aspectos identificados em diagnósticos, a saber: a cidade tem interesse em atuar durante o inverno? Quais as parcerias possíveis? Tem estrutura para receber visitantes? Os meios de hospedagem e os restaurantes estão dispostos a realizarem investimentos nos seus serviços? Entendem o City Marketing – Marketing do Destino Turístico? Possuem recursos para campanhas promocionais? É importante destacar que o planejamento estratégico e a comunicação integrada devem envolver a comunidade e todos interessados no bem receber. Alguns Municípios não estão interessados. Outros estão interessados e faltam recursos humanos, sistêmicos, materiais e financeiros. Alguns não contratam serviços profissionais para diagnósticos específicos e inovações comprovadas em outras cidades no mundo. Outros, simplesmente, fecham seus equipamentos turísticos. É mais simples, assim. A Economia do Turismo busca o foco, a singularidade para atenderem demandas adequadas aos mercados. É óbvio que muito trabalho precisa ser realizado. Dependem de decisões, parcerias e investimentos. Será? Respeitam-se todas as opiniões contrárias. São reflexões. Podem ser úteis. Pensem nisso.

Abdon Barretto Filho

Abdon Barretto Filho

Economista e Mestre em Comunicação Social. Especializado em Economia, Comunicação e Marketing aplicados às Cidades ( City Marketing),Empresas e Entidades, destacando-se Eventos, Hotelaria, Hospitalidade e o Turismo. Consultor, Conferencista, Conselheiro, Diretor, Escritor, Colaborador em Veículos de Comunicação

Gostou desse conteúdo? Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Abdon Barretto Filho
Economista e Mestre em Comunicação Social.

Acompanhe as novidades