Algoritmos, Diagnósticos e Gestões

Abdon Barretto Filho  

Economista e Mestre em Comunicação Social

Cada Algoritmo é formado por sequência de passos que visa atender objetivos bem definidos. É necessário ordenar, “pensar com ordem”, utilizar a lógica. Quando elaboramos um Algoritmo, devemos especificar ações claras e precisas. É necessário descrever o passo a passo para realizar uma tarefa mais esclarecedora possível. Os Programas computacionais são os conjuntos de Algoritmos escritos em várias linguagens que os computadores interpretam. Os avanços tecnológicos estão presentes em nossas ações domésticas e profissionais. Toda atividade humana que pode ser substituída pela tecnologia, será. Será? Convém destacar que os Programadores são os profissionais que formam os Programas que comandam os computadores. As bases dos Programas são os Algoritmos diversos, alguns exemplos como: trocar a lâmpada; sacar dinheiro no caixa eletrônico; trocar o pneu do carro e fazer um bolo. É um bom exemplo compreender o Algoritmo para trocar uma lâmpada que tem a seguinte sequência: Início – pegar a escada; colocar embaixo da lâmpada; buscar uma lâmpada nova; subir na escada; retirar a lâmpada com problema e colocar a lâmpada nova. Fim. Objetivo atingido. Outro exemplo é fazer o bolo: Início- ler a receita; separar os ingredientes; seguir as orientações do como fazer o bolo; ligar o forno; despeje a mistura na assadeira; coloque a assadeira no forno; espere alguns minutos; espete um garfo no bolo, se o garfo sair limpo, desligue o fogo. Em caso contrário, espere mais alguns minutos. Só desligue o forno se o garfo estiver limpo. Depois, retire o bolo do forno. É o fim da receita de bolo. Segundo os programadores, toda receita é dividida em dois blocos de ações: Ingredientes: definições dos dados a serem usados e suas quantidades; Modo de preparo: programa de ação e sequência das atividades. Nos casos das aplicações dos algoritmos nos equipamento e serviços do fenômeno turístico e da hospitalidade, o primeiro passo é o Diagnóstico profissional. Existem excelentes intenções e sofríveis gestões, incluindo a ignorância pluralista e os egos incompetentes dos neófitos curiosos que ocupam cargos e funções porque foram escolhidos pelos acordos políticos. Não querem obedecer aos algoritmos para o desenvolvimento do Turismo e da Hospitalidade: estruturar a oferta turística; qualificar os bens e/ou serviços; fazer a promoção; apoio à comercialização e avaliar resultados, com profissionalismo. No caso de empresas e entidades, repetem os erros e os resultados negativos e os egos dos acionistas e associados que não querem as mudanças. Será? Respeitam-se todas as opiniões contrárias. São reflexões. Podem ser úteis. Pensem nisso.

Abdon Barretto Filho

Abdon Barretto Filho

Economista e Mestre em Comunicação Social. Especializado em Economia, Comunicação e Marketing aplicados às Cidades ( City Marketing),Empresas e Entidades, destacando-se Eventos, Hotelaria, Hospitalidade e o Turismo. Consultor, Conferencista, Conselheiro, Diretor, Escritor, Colaborador em Veículos de Comunicação

Gostou desse conteúdo? Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Abdon Barretto Filho
Economista e Mestre em Comunicação Social.

Acompanhe as novidades