Planejamento e Gestão no Verão

        Abdon Barretto Filho – Economista e Mestre em Comunicação Social

Com a Economia do Turismo em alta, o Verão abre espaço para quem trabalha ou quer trabalhar  nos empreendimentos ,investimentos e negócios envolvendo  fluxos de visitantes interessados nas praias, entretenimento, esportes  e lazer ao ar livre. São infinitas  possibilidades no Brasil e no resto do mundo. Para os Planejadores e Gestores do fenômeno turístico é indispensável reconhecer que a sazonalidade e inconstância da demanda são variáveis incontroláveis, exigindo diagnósticos e prognósticos profissionais. Em alguns casos, determinadas ações são óbvias: sem clientes, interrompe-se a oferta de serviços. É simples, assim: eventos suspensos; hotéis e restaurantes fechados, entre outros equipamentos e serviços.  Em outros casos, são criadas novas estratégias  utilizando-se as ferramentas do Marketing das Cidades ( City Marketing), incluindo  o Calendário dos Dias Azuis; desenvolvimento de novos eventos; Comunicação Integrada e as indispensáveis parcerias públicas e privadas. Naturalmente,  os Destinos Turísticos, transportadores, meios de hospedagens, restauranteiros, organizadores de eventos, entre outros equipamentos e serviços das organizações econômicas com ou sem fins lucrativos, conseguem melhores resultados. Durante cada Verão, podem existir ameaças e oportunidades desafiadoras para os Planejadores e Gestores do núcleo receptor de visitantes, com impactos diretos nos residentes que nem sempre viajam durante o período. Observa-se que durante o Verão são ofertadas programações locais para os residentes e que também podem atrair visitantes. É óbvio que são resultantes do Planejamento e da parceria pública e privada, com profissionalismo e investimentos, visando bom atendimento e bons resultados econômicos e financeiros. Convém salientar que as empresas estão adotando abordagens integradas com a presença física (ser humano) e o digital (phygital), oferecendo experiências sensoriais diferenciadas. Convém salientar que no fenômeno turístico, são pessoas que atendem pessoas. Os avanços tecnológicos contribuem para o momento da interação humana entre visitante e residente. Diagnósticos específicos sobre ofertas e demandas são indispensáveis. Os hábitos e perfis dos clientes atuais e dos prováveis  novos clientes contribuem nas decisões. Alguns exemplos podem ser destacados: a disponibilidade de sinal de internet (Wi-Fi) nas praias;  os sucessos das visitas aos hotéis com águas termais; programações especiais nos Museus ou a Magia do Natal Luz, com 38 anos, pioneirismo em Gramado durante o Verão, entre outras comemorações em diversos Municípios do Rio Grande do Sul. Todas inovações exigem atenções e investimentos em pessoas, equipamentos e serviços profissionais. São alguns exemplos de competências e profissionalismos, sempre com apoios dos diversos  canais de comunicação e apoio à comercialização. Será ? Respeitam-se todas as opiniões contrárias. São reflexões. Podem ser úteis. Pensem nisso.
Abdon Barretto Filho

Abdon Barretto Filho

Economista e Mestre em Comunicação Social. Especializado em Economia, Comunicação e Marketing aplicados às Cidades ( City Marketing),Empresas e Entidades, destacando-se Eventos, Hotelaria, Hospitalidade e o Turismo. Consultor, Conferencista, Conselheiro, Diretor, Escritor, Colaborador em Veículos de Comunicação

Gostou desse conteúdo? Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Abdon Barretto Filho
Economista e Mestre em Comunicação Social.

Acompanhe as novidades