O desenvolvimento da série dos mercados dos idosos

As pesquisas, os novos conhecimentos, os avanços tecnológicos estão contribuindo para a melhoria contínua dos seres humanos, principalmente para as pessoas com 60,70, 80 e mais anos. É impossível negar a importância do envelhecimento para entender a Economia e as projeções para o desenvolvimento social e cultural do Planeta. Viver mais e melhor é a meta pessoal que influencia a macro e a microeconomia. São bens e/ou serviços pesquisados e disponibilizados nas áreas da medicina, alimentação, cultura, finanças, comportamento, entretenimento, lazer e turismo. Existem muitas opções, destacando-se os infinitos aplicativos, às vezes inúteis para os idosos e úteis para os jovens e seus criadores. Na realidade, as gerações se encontram nas vidas das crianças, adolescentes, adultos e idosos. Já são identificadas as possibilidades de trabalhos conjuntos entre jovens e idosos, aumentando a produtividade das organizações com ou sem fins lucrativos. É inteligente combinar os ímpetos juvenis com as experiências dos idosos para entregarem bens e/ou serviços úteis às comunidades. É uma tendência mundial, decorrente do envelhecimento global. Existe a expectativa de uma vida melhor para todos com o respeito indispensável ao idoso ativo que pode contribuir e participar, caso seja convidado e respeitado. Sejam nas Políticas Públicas e/ou nas Gestões empresariais, observa-se ações inéditas adequadas ao público com mais de 60 anos. Algumas cidades já regulam os semáforos para circulações nas vias públicas; cuidados com as calçadas; segurança pública; áreas para exercícios físicos nos parques e jardins; calendário de eventos adequados, entre outras ações para os públicos idosos. Além disso, novos empregos são oferecidos nas empresas que identificaram as oportunidades e as ameaças nos relacionamentos com os idosos saudáveis. Desde do atendimento personalizado ao cliente até o pós-venda. Os idosos humanizam os atendimentos sem receios dos serviços realizados com a Inteligência Artificial que estão ocupando espaços nunca imaginados. Muitos são voluntários e participam de programas assistenciais. Outros idosos trabalham com jornadas reduzidas para complementarem suas rendas. Convém   salientar que os idosos, com recursos financeiros e com vontade de gastar na busca de uma vida melhor no consumo do seu tempo livre, formam a Demanda qualificada e exigente. Bons exemplos são constatados durante as transações comerciais pessoais e, muitas vezes, decidindo o consumo familiar, incluindo na gastronomia, entretenimento, lazer hotelaria e viagens. Portanto, valorize e respeite os idosos em todos os seus relacionamentos pessoais e/ou profissionais. Trate bem hoje o idoso para ser bem tratado no amanhã, quando integrar importante segmento de mercado.  Será? Respeitam-se todas as opiniões contrárias. São reflexões. Podem ser úteis. Pensem nisso.

Abdon Barretto Filho

Abdon Barretto Filho

Economista e Mestre em Comunicação Social. Especializado em Economia, Comunicação e Marketing aplicados às Cidades ( City Marketing),Empresas e Entidades, destacando-se Eventos, Hotelaria, Hospitalidade e o Turismo. Consultor, Conferencista, Conselheiro, Diretor, Escritor, Colaborador em Veículos de Comunicação

Gostou desse conteúdo? Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Abdon Barretto Filho
Economista e Mestre em Comunicação Social.

Acompanhe as novidades