City Marketing e Políticas Públicas

O maior desafio do City Marketing – Marketing de Cidade é ser parte integrante de Políticas Públicas do País, Estado e do Município.Convém salientar que o fenômeno turístico envolve todo o planeta com os deslocamentos de pessoas que buscam atrativos diversos motivadores das viagens, desde dos aspectos geográficos, históricos, culturais até os equipamentos e serviços capazes de atraírem visitantes. A Organização Mundial de Turismo – OMT, tem apresentado estatísticas demonstrando os impactos econômicos e sociais dos deslocamentos em todo o mundo. São números das chegadas e saídas nos aeroportos e portos que podem ser ampliados por cada núcleo receptor. Em sequência, as estatísticas sobre os meios de hospedagem, eventos realizados, espaços culturais, entre outros equipamentos e serviços consumidos durante as visitas aos locais. É importante destacar que o Turismo acontece no local urbano ou rural onde existe o atrativo natural ou implantado, porque não existem possibilidades de transferências físicas dos atrativos ,destacando-se: natureza local, pôr do sol, cultura local, equipamentos e serviços locais. A virtualidade pode promover e apoiar a divulgação e comercialização. Os eventos híbridos (presenciais e virtuais) são realidades fortalecidas. Entretanto, o deslocamento do visitante até o atrativo é a base do Turismo. É óbvio que sempre existem os avanços tecnológicos que produzem realidades virtuais que podem até competir com as realidades físicas. Mas, nunca substituir a visita ao local desejado. Observa-se que existem Destinos Turísticos que estão repensando suas Políticas Públicas para controlar os fluxos de visitantes que agridem a sustentabilidade ambiental, social e econômica. Outros Destinos Turísticos estão voltados para captações de fluxos de visitantes em segmentos e nichos de mercados globais, nacionais, regionais. Ainda existem Destinos Turísticos que ainda não estão interessados em atraírem visitantes. Além disso, existem Destinos Turísticos com visões românticas e amadoras sobre as possibilidades de atraírem visitantes. Querem entrar no mercado. Entretanto, o sucesso da iniciativa depende do planejamento, estruturação e qualificação da oferta e indispensáveis investimentos nas promoções dos seus atrativos. Também, existem alguns Destinos Turísticos, que não possuem recursos humanos, materiais e financeiros que possam garantir a continuidade dos projetos em gestões públicas diferentes. Então, como implantar e desenvolver o City Marketing? Logo, salvo melhor juízo, a solução mais indicada é através da parceria pública e privada, principalmente com as experiências dos profissionais que conhecem as práticas e gestões. Os objetivos são apresentações ao mercado turístico dos bens e/ou serviços adequados às necessidades dos visitantes, sejam eles interessados nas belezas naturais, na cultura local, nos eventos e/ou em oportunidades de investimentos. As cidades podem competir com outras cidades e o City Marketing pode contribuir no posicionamento e ampliar as possibilidades nas atrações dos visitantes, gerando emprego, renda, impostos e melhoria da autoestima da população local. Será? Respeitam-se todas as opiniões contrárias. São reflexões. Podem ser úteis. Pensem nisso.

Abdon Barretto Filho

Abdon Barretto Filho

Economista e Mestre em Comunicação Social. Especializado em Economia, Comunicação e Marketing aplicados às Cidades ( City Marketing),Empresas e Entidades, destacando-se Eventos, Hotelaria, Hospitalidade e o Turismo. Consultor, Conferencista, Conselheiro, Diretor, Escritor, Colaborador em Veículos de Comunicação

Gostou desse conteúdo? Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Abdon Barretto Filho
Economista e Mestre em Comunicação Social.

Acompanhe as novidades