Caminhando no Centro Histórico da Cidade

                                           Abdon Barrretto Filho  

                                            Economista e Mestre em Comunicação Social

Na Economia do Turismo é indispensável a estruturação da Oferta Turística para atender ou estimular a Demanda Turística, identificando e realizando as trocas entre as necessidades dos visitantes e os bens e/ou equipamentos e serviços turísticos disponíveis. São as forças do Mercado que determinam os sucessos ou os fracassos das iniciativas que exigem planejamento, organização, gestão e avaliação contínua dos resultados. No Turismo Urbano, o Centro Histórico de cada Cidade é o principal ou um dos principais atrativos capazes de atraírem visitantes. Em todos os Destinos Turísticos, existem serviços profissionais que atendem os visitantes e os moradores interessados nos aspectos geográficos, históricos, culturais equipamentos e serviços através de visitas guiadas. As informações básicas são apresentadas pelos Guias de Turismo com duração média de duas horas utilizando-se de veículos (City Tour) ou caminhando (Walking Tour). O City Tour é o passeio panorâmico que percorre os principais pontos turísticos da cidade com o Guia de Turismo Local comentando a arquitetura, a cultura, a religião e história da cidade, entre outras informações. Incluindo visitas aos museus, teatros e igrejas. O Walking Tour é uma expressão inglesa que faz referências aos passeios guiados, acompanhados pelos Guias Locais, realizados a pé, que ocorrem de maneira organizada em diversas cidades do mundo. Quando um destino turístico disponibiliza passeios guiados demonstra o interesse e a organização do fenômeno turístico. Observa-se que os serviços profissionais valorizam e qualificam a oferta turística. Nas opções das caminhadas pelos Centros Históricos das mais diversas cidades, existem excelentes oportunidades para a valorização da série de detalhes na arquitetura, nos traçados urbanos, nas histórias dos moradores, nos nomes das ruas, nos registros de eventos, entre outros fatos e versões de fatos. Muitos profissionais pesquisam e apresentam roteiros que são disponibilizados nos mais diversos canais de comunicação e comercialização. Convém salientar que algumas cidades ignoram o planejamento e a organização da oferta de passeios pela cidade. Outras cidades, valorizam e criam novos passeios para outras regiões da cidade. Não são necessários grandes investimentos, além da manutenção do patrimônio, da limpeza, segurança, iluminação, acessibilidade, sinal de internet, serviços públicos indispensáveis para a qualidade de vida do habitante e para o visitante. As boas experiências serão registradas nos celulares, nas mentes e nos corações que podem gerar novas indicações. É o modelo da transversalidade do fenômeno turístico. A cidade será boa para o visitante se é boa para o residente. É óbvio. É simples, assim. Será? Respeitam-se todas as opiniões contrárias. São reflexões podem ser úteis. Pensem nisso.

Abdon Barretto Filho

Abdon Barretto Filho

Economista e Mestre em Comunicação Social. Especializado em Economia, Comunicação e Marketing aplicados às Cidades ( City Marketing),Empresas e Entidades, destacando-se Eventos, Hotelaria, Hospitalidade e o Turismo. Consultor, Conferencista, Conselheiro, Diretor, Escritor, Colaborador em Veículos de Comunicação

Gostou desse conteúdo? Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Abdon Barretto Filho
Economista e Mestre em Comunicação Social.

Acompanhe as novidades