A força do Turismo

Toda viagem envolve transporte de uma cidade para outra.

Se a viagem tiver uma motivação vinculada aos aspectos geográficos, históricos, culturais, equipamentos e serviços, mantendo o visitante com a estadia mínima de 24 horas, o fenômeno turístico é concretizado.

O visitante vai consumir no núcleo receptor: alimentação, bebidas, hospedagem, serviços de transportes locais, ingressos para espetáculos artístico-culturais, participar de um evento de negócios, passeios, comprar no comércio local ou simplesmente consumir o tempo livre contemplando a natureza ou convivendo com os moradores locais.

O mundo descobriu a importância do Turismo como gerador de emprego, renda, impostos e autoestima.

Então, quais os motivos para ignorarem os benefícios do Turismo? Talvez a principal resposta esteja na ignorância pluralista decorrente de análises de fatos e dados decorrentes dos deslocamentos entre pessoas que fazem visitas fora da sua cidade de residência. Além disso, por ser uma atividade econômica, é indispensável o planejamento, a organização, a direção e o controle para avaliar os resultados. Convém salientar que um Destino Turístico deve estruturar sua oferta turística; qualificar os bens e/ou serviços turísticos; promover seus atrativos turísticos no mercados emissores; desenvolver ações comerciais e avaliar os resultados alcançados ou não.

São trabalhos profissionais, qualificados e exigem parcerias públicas e privadas.

O sistema turístico envolve os atores integrantes dos verbos transportar, visitar, comer, entreter, participar, comprar e dormir.

Para alguns Destinos Turísticos o desenvolvimento (social, cultural, ambiental e econômico) começa quando as lideranças públicas e privadas estão sensibilizados pela valorização de uma série de aspectos capazes de atraírem visitantes que ajudam na geração de emprego, renda, impostos e autoestima.

No setor público, uma série de equívocos com cargos e funções ocupados com profissionais que não estão preparados para os desafios da causa.

No setor privado, o mercado vem eliminando empresas e entidades que não conseguem compreender ou atuar no entendimento e atendimentos das exigências dos turistas.

Mas, sejamos otimistas. Sempre.

Pós Pandemia, o Turismo vai retornar com força total para destinos próximos e para viagens inadiáveis.

Será? Respeitam-se todas as opiniões contrárias.

São reflexões.

Podem ser úteis.

Pensem nisso.

Abdon Barretto Filho

Abdon Barretto Filho

Economista e Mestre em Comunicação Social. Especializado em Economia, Comunicação e Marketing aplicados às Cidades ( City Marketing),Empresas e Entidades, destacando-se Eventos, Hotelaria, Hospitalidade e o Turismo. Consultor, Conferencista, Conselheiro, Diretor, Escritor, Colaborador em Veículos de Comunicação

Gostou desse conteúdo? Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Abdon Barretto Filho
Economista e Mestre em Comunicação Social.

Acompanhe as novidades